Já vai embora?

Foi bom ter você por aqui!

Se quiser ficar por dentro das novidades que rolam por aqui, é só deixar seu e-mail abaixo que enviaremos sempre que tivermos uma notícia interessante.

Cadastrado com sucesso! Ocorreu um erro ao fazer o cadastro.

Caso não tenha encontrado o que precisa, ainda há esperança:

Construindo o sucesso

Ex-alunos

Quando o aluno entra na faculdade, já costuma projetar o seu futuro, que nem sempre é previsível. Outras vezes, é no decorrer do curso que ele descobre a verdadeira vocação. Ainda assim, para muitos, é justamente nesta mudança de planos que se acaba encontrando o melhor da profissão.

Foi assim com Renato Ijano Rodrigues, formado em Engenharia de Computação em 2008. A partir de experiências no setor público e privado, ele deu início ao seu mais audacioso projeto de carreira. Em junho, Renato embarcou para os Estados Unidos, onde já começou a cursar um MBA com ênfase em Finanças e Marketing Analítico pela University of Missouri.

 

Sou+Facens – Como foi sua trajetória profissional?

Renato Ijano Rodrigues – Estagiei por dois anos e meio na Metso, passando pelas áreas de banco de dados Oracle e governança em TI. Durante o período, me especializei em planejamento estratégico em análise de indicadores e gerenciamento de recursos e projetos.

Em seguida, passei no concurso da Caixa Econômica Federal, tendo atuado por oito anos com pesquisa e planejamento estratégico. Em 2013, comecei a dar aulas de Economia, Administração e Engenharia Econômica para o curso de Engenharia de Automação em uma instituição.

 

Como surgiu a oportunidade de estudar no exterior?

Em setembro de 2013 reencontrei um amigo que havia acabado de retornar de um MBA nos Estados Unidos. A partir disso, sempre que podia eu acompanhava os seminários de MBA internacional. Pesquisei os melhores programas americanos e me inscrevi em quatro instituições.

 

E como tem sido sua rotina de estudos?

As aulas são em período integral e, às sextas-feiras, nos reunimos com os grupos de estudo para a resolução de cases. Na minha turma, são mais de 22 nacionalidades representadas. Além disso, existem muitas tarefas extracurriculares, o que amplia o networking.

 

Como avalia esta experiência?

É extremamente desafiadora, já que são dois anos sem trabalhar e vivendo em outro país com as reservas que juntei em cinco anos. Mas é também enriquecedora, afinal, a proposta é obter conhecimento equivalente a quase 15 anos de trabalho em uma multinacional.

 

E qual a sua expectativa agora?

Além do amadurecimento pessoal e profissional, desejo trabalhar aqui por cerca de dois anos, para voltar ao País com alguma reserva. Recomendo esta experiência a todos, pois o retorno sobre o investimento é certo, assim como a chance de fazer carreira no exterior.

More news of the following category "Ex-alunos"